terça-feira, 15 de setembro de 2015

Acordares - 04:10

Acordou oceano
salgado e esquecido.
Águas doces
dos rios
é que enche mares.
Fechou os olhos
rolou
na cama
nem sonho, nem vida.
Asfalto duro,
cinza,
não segura chuva
deixa as águas rolarem
na superfície.
O dia convida,
o corpo recorda,
a mente menti
há trovões.
Revolto
entre
as cobertas
re volta.
Do sol lá
fora saudades.
Da tempestade
aqui dentro
esperança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário