sábado, 15 de agosto de 2015

Acordares - 10:51

O sonho
secou
por cachoeiras.   
Acordou
o mesmo ar
parado
sem
volúpia, saudade.
O sol lambia
o corpo frio
como se não houvesse
o que aspirar.
Era sua
toda
sua.
Não queria
ser  
da cama,
dos planos,
do gosto
desfeito.
Dobrou lençóis e
ajeitou travesseiros
tudo
de volta no não
lugar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário